sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Monstro de verdade



Sim, foi o que me deparou diante de mim um espelho estilhaçado, expondo nos meus olhos a loucura da verdade, me dizendo que sou monstro, monstro de verdade.
Rejeitei ser o que sou, rejeitei a mim mesmo, para ocultar a verdade, não demonstrar o quanto sou indigno, te desprezei para me ver forte, forte sobre sua vontade.  Não me deixei defrontar com aquilo que sou, pois tive medo da verdade, com presunção e ignorância eu segui, acreditando na minha salvação, nem dono e nem caseiro, como viajante rumo a minha própria confrontação, poeta de meu próprio caos.   Hoje quando me sento para escrever, escrevo para não me perder, o que do mal vi crescer, matando fé, amor e luz, não sabendo se sou bom ou mal, tentando voltar na noite escura para casa, mas confesso que tenho medo, medo dessa verdade, da palavra que nos coloca diante do espelho, revendo nossa própria imagem, refletindo nossos erros.  Desmatando-me por toda a reserva que eu tentei proteger, me derrubando de minhas avenidas, no bairro de minhas ilusões, que acreditei, que percorri por medo do fim, por medo de sofrer, por me achar incapaz, quando na verdade eu era digno de toda força, tudo o que Deus colocará em mim, pois também desde quando acreditei na minha fraqueza e aceitei o caminho largo, eu não sei o que me tornei, se me tornei seu amigo ou inimigo, sendo você também mal? 

Por Manfrá

Um comentário:

  1. Nooossa...Perfeito.. Não compreendemos nos mesmo..parados diante do espelho da vida... Somos todos capazes de conviver com outros, porque o desafio mais duro é enfrentado todo dia, a convivência com o "eu" mesmo...

    ResponderExcluir