segunda-feira, 23 de julho de 2012

Casca de misérias


Quero desencadeia um monte de abraços
Apertados, de todas as malas
Quero sacrificar em teus altares
Encurvar tua coluna sobre a minha
Enxergar no fundo do lençol
O teu pé pequeno e encardido
Encher de lagrimas enquanto vivo
Para não morrer de vontade na morte
Pular, me divertir, acordar tarde sem medo
Enlouquecer, me perder, me encontrar por aí
Chatear alguém que eu gosto
Para me ver refletido em seus dentes
Se não amarelos, brancos ou prata
Ouro embrulhado numa casca de misérias
Sem promessas gloriosas no final
Ou sopa quente internado num hospital
Ardor com deslize indecente
Cama com sobremesa de louco
Maldades quero dizer adeus
E nunca mais dizer saudades
Quero estar pronto onde está
E permanecer calado em tua voz
Quando gritar, me avise das lagrimas
Vitimas de sua incompreensão

Por Manfrá

2 comentários:

  1. Acho que a Thamy achou a palavra ideal para resumir teu texto: Perfeito, simplesmente perfeito. Também adorei a imagem, é bem legal
    Presentinho para teu blog *-* http://bit.ly/MMnnrr
    Até mais Manfrá '-'

    ResponderExcluir