sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Crenças, fórmulas e poesias




Crenças, fórmulas e poesias
Mantras aos pés dessa covardia
Repugna, desmonta nossa idolatria
Escarlate, escuro mel desses dias
Revolta, responda a essa vil cria sua
Até quando?! Até quando?!
Escuta, desculpa toda minha antipatia
Prece, que remete em meu pensar
Escarlate, escuro mel desses dias
Me desnuda, me crie que como cria solta.

Por Manfrá

2 comentários:

  1. Primeiramente, obrigada pelo elogio Manfrá! Saiba que procuro me inspirar em poemas como os seus para fazer os meus... Aliás, com uma inspiração como essa, (quase) todos podem escrever bem.
    Enfim, parabéns, gostei muito deste poema e da construção das rimas. Até mais. Muita paz a você!

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Estou te seguindo há alguns dias.
    Poderia retribuir?
    www.cchamun.blogspot.com.br

    ResponderExcluir